Ayurveda

Um convite para olhar para o meu interior, para o que realmente quero e preciso.

De acordo com a Ayurveda, tudo que toca os sentidos é alimento. Por isso é tão importante ter a consciência do que estamos colocando para dentro do nosso corpo e da nossa mente.

Herméthica Ayurveda.jpeg

A Ayurveda, medicina mais antiga do mundo que surgiu na Índia há 5 mil anos, faz justamente o papel de estudar o potencial dos alimentos e da rotina diária como fonte de cura e reequilíbrio.

Em sânscrito, Ayurveda significa conhecimento da vida ou ciência da longevidade - Ayur (vida) + Veda (conhecimento). Um sistema de cura do Yoga responsável por nos conectar com as forças da natureza, com os ciclos do dia, com as estações do ano, transformando-se em uma ferramenta poderosa de autoconhecimento e, ao mesmo tempo, um manual de como viver no nosso planeta.

Para a Ayurveda você não é o que você come, mas o que você digere. Se a sua capacidade digestiva não for suficiente, você passa não só a ter problemas na digestão dos alimentos, mas também nas coisas que você vê, escuta e sente. E esse desequilíbrio causa acúmulo de toxinas, provocando processos de doença física e mental.  O adoecimento, segundo essa medicina, acontece pela perda da autoreferência, ou seja, quando minha referência passa a ser outro e o mundo externo e não o que eu realmente necessito, esse desequilíbrio acontece de dentro para fora. Por isso é tão importante a busca pela espiritualidade e pelo autoconhecimento. Quando deixo de ser eu mesmo, adoeço. E quem sou EU?

Por essa razão o Ayurveda é o principal foco de trabalho da Carol, justamente por ela acreditar na beleza desse sistema de cura que proporciona nos olharmos todos os dias, desde quando acordamos até a hora que dormimos. Esse encontro com nós mesmos nos impede de nos misturarmos com os outros e nos perdemos num ritmo de vida que, na maioria das vezes, não é o nosso. Pois o estilo de vida que adotamos hoje perdeu a conexão com do ritmo da natureza, e é justamente por isso que estamos cada vez mais doentes. Afinal, o externo não é real, não sou eu, não é você.